PAPAI NOEL, É PAI DE QUEM?

O Natal pode trazer uma boa oportunidade de você lidar com algumas habilidades de vida que vai precisar desenvolver no seu filho: negociação, liderança e gestão de pessoas. É sério!! E tudo isso inspirado no seu papel de Pai.

Nós estamos acostumados a falar sobre o Natal na figura do Papai Noel, principalmente as crianças. É comum falarmos com os nossos filhos que o ‘bom velhinho’ vai trazer os presentes de Natal caso eles tenham se comportado durante o ano. Ou seja, vai recompensá-lo por ter cumprindo as suas obrigações e não ter desobedecido ninguém.

No seu trabalho, você é recompensado por fazer as suas obrigações ou por ter se destacado em algo que, geralmente, todos estavam fazendo da mesma forma, e você com seu esforço e dedicação, assumiu o risco de fazer algo que outros ficaram com medo?

Negociação é algo que aprendemos na infância!

Quando vai se aproximando da data, nós já começamos a citar algumas frases para os filhos: “Olha se você não se comportar não vai ganhar presente de natal”, “Ih, o Papai Noel não vai trazer presente para você, não está sendo um bom menino”, “Papai Noel não gosta de criança mal educada”. E assim por diante.

As expressões podem parecer antigas e dar a impressão de ser uma tradição, mas essa forma de negociar com as crianças passa para eles comportamentos que não queremos que tenham no futuro.

A negociação com nossos filhos é diária e uma forma importante de passar aprendizado para eles, porém quando fazemos dessa forma (com algo em troca de um sentimento) passamos a impressão que comprá-los ou mesmo suborná-los com presentes é algo que seja aceitável para a mudança de comportamento.

É importante entendermos aqui que o fato de ganhar presentes, por mais que a criança mude o seu comportamento, não é uma condição que está associada ao sentimento.

E no trabalho como estimulamos recompensas que vão gerar comportamentos que não gostaríamos? Colocando uma premiação diária, quinzenal ou mensal em dinheiro (a qual o colaborador já reconhece uma receita garantida), ou por meio de bônus para metas que são inalcançáveis.

A recompensa de uma forma ou de outra vai criar uma relação com algo que o colaborador vai ver como certo, logo perdendo o efeito motivador, e quando não realizada vai ter efeito oposto: desmotivador.

Desenvolvemos a liderança com a Paternidade?

Em relação aos comportamentos é necessário primeiro a nossa atenção para entendê-los e identificá-los, tudo isso com muita empatia e compreensão. E a partir daí estabelecer limites e definir estratégias para a sua solução.

Percebe alguma relação com as suas atividades profissionais? O que fazer com os seus colaboradores para que estejam engajados e motivados a realizar as suas ações diárias?

Além disso, devemos ensinar a criança a nomear esse sentimento para que ela também possa compreendê-lo e saber lidar com ele.

natal4

Convite de Natal

Convido vocês Pais a fazerem uma reflexão séria e baseada apenas no aprendizado que estamos passando para os nossos filhos. O que o fato da criança ser bem comportada está relacionado a ganhar presente? Ou recompensa?

E aí Pais quais respostas podemos chegar? É possível encontrar várias, mas acredito que nenhuma que leve realmente a crer que presentes de natal compram bons comportamentos. O que fazemos aqui é repassar uma crença antiga e limitadora, que passam aprendizados mesquinhos (comprar pessoas) e antiéticos (suborno).

Podemos dar um presente de natal diferente para os nossos filhos esse ano. O que você acha? E o que você pode estender para a sua equipe de trabalho ou vice-versa?

Vamos voltar ao Papai Noel…

De qualquer forma, o Papai Noel é figura fácil nesse mês de dezembro. Diz a lenda que tudo começou com o bispo Nicolau Taumaturgo, que nasceu na Turquia em 280 D.C.. Existiram relatos que este homem distribuía saquinhos de moedas próximos às chaminés.

A lenda do Papai Noel diverge em algumas nações do mundo como o  local de moradia do bom velhinho (Polo Norte ou Lapônia/Finlândia), elfos ou duendes, número total de renas (8 ou 9) e até seus trajes (Vermelho/branco ou vermelho/branco e verde).

O fato é que o Papai Noel representa a figura de uma pessoa amorosa, bondosa e sempre muito gentil. Explicar a figura do Papai Noel com esses adjetivos é dar nome e associar características positivas e que nossos filhos entenderão com facilidade. Algum semelhança com a sua condição de líder?

05 sentimentos que todo Pai – Papai Noel – deveria saber…

Além disso, o Papai Noel, traz como símbolos alguns sentimentos primordiais que utilizamos no dia a dia, gerindo pessoas, sejam elas colaboradores ou filhos:

– Compaixão: As histórias de Natal e todo clima estão rodeados de compaixão, as próprias histórias religiosas evidenciam esse sentimento. É possível contar algumas histórias para os nossos filhos reforçando esse sentimento.

– Alegria: Época de comemorações e muita alegria entre as pessoas. O clima de Natal é de sorrisos e abraços. As crianças naturalmente já são alegres e nesse período devemos potencializar ainda mais essa emoção.

– Afeto: Momento em que estamos mais carinhosos e receptivos as pessoas. Agindo com uma escuta mais atenta, prestando atenção nos outros. É nesse momento que ensinamos nossos filhos a utilizarem do afeto para entender o próximo.

– Carinho: A proximidade com as pessoas faz com que sejamos mais amorosos. As emoções acima descritas são contagiantes e gentileza gera gentileza. Entramos num circulo virtuoso de afeto e carinho. As crianças sentem isso e inclusive ficam agitadas no Natal. Um bom momento para que elas entendam o motivo dessa energia para que no futuro possam utilizar quando necessário.

 -Família: Já vai chegando dezembro e começamos a planejar os encontros familiares. É uma tradição almoços e ceias em família. São praticamente dois dias de festas com muitas pessoas, excelente oportunidade para explicar aos nossos filhos quem somos e a importância de estar em família.

natal2

Ao estabelecer esses sentimentos também entre os colaboradores, é possível criar um clima de aproximação e respeito que vai além do medo e da ameaça, que estão diretamente ligados a recompensa e a punição.

Podemos ir além da recompensa e punição:

O Natal é uma data que realça o brilho das pessoas. É momento de dar e receber sentimentos e emoções verdadeiros. Ficamos mais sensíveis, e o nosso inconsciente está mais aberto as emoções. Nós, pais (ou líderes) precisamos perceber isso nos nossos filhos (ou colaboradores) e aproveitar esse momento para instalar comportamentos positivos decorrentes dessas emoções que estão evidentes.

É Natal e sempre será Natal para aqueles que conseguem aproveitar todo o clima de amor, carinho e afeto decorrente dessa data.

Imagina restringirmos o aprendizado das nossas crianças, apenas a necessidade de ganhar presentes enquanto temos a festa, as músicas, as comidas gostosas, as pessoas próximas, nossa família e principalmente todo amor envolvido nesse momento.

A troca de presentes é mais um momento a ser valorizado gerando também um sentimento de alegria e afeto entre as pessoas. Entretanto, não podemos nos restringir a eles. Deveria ser como uma brincadeira e não como a essência do Natal.

Ganhamos muito mais que isso, ao nos envolvermos com todas essas emoções e sentimentos, criando um ambiente de respeito e amor, em casa ou no trabalho. É um momento de atuarmos como pais amorosos, mas também como líderes perceptivos as necessidades dos nossos colaboradores.

É possível diferenciar um do outro? Convido você a aproveitar a oportunidade de ser pai ou mãe, para exercer em casa todas as habilidades que já faz no trabalho, mas utilizando para obter os resultados que você gostaria com seu filho.

Ah! E o Papai Noel é Pai de quem? Isso eu não sei…