E você tem medo do que?

E quais são os seus medos? Alguns podem responder que é medo da morte, medo de não ter dinheiro para pagar as contas, medo de alguma coisa acontecer ao meu filho, medo de ladrão, de ser roubado, de pegar alguma doença, enfim são vários os medos.

Você poderia imaginar por um minuto que esses medos podem ser representações de valores que possuímos e que precisamos atender a todo custo e por isso temos medo de algo.

Exemplos de valores envolvidos os “principais medos”:

– Morte: Amor, Carinho, Afeto;

– Não ter dinheiro: Segurança, Liberdade, Poder;

– Filhos: Amor, Carinho, Segurança;

– Ladrão/Roubado: Liberdade, Justiça, Paz;

– Doença: Saúde, Amor, Autoestima;

 

Nós poderíamos elencar vários medos, que na verdade estão relacionados a valores que temos e que não queremos perder, ou mesmo situações que afetam a nossa zona de conforto e que buscamos evitar.

Sim, existem medos que nada mais são que representações de situações que não queremos entender porque afetam diretamente a nossa zona de conforto. A questão é que na maioria das situações esses medos são refletidos pelos nossos filhos que aprendem e passam a ter os mesmos sentimentos.

Baixe nosso E-book sobre Inteligência Emocional, grátis

medonovo.jpg

Vamos dar um exemplo simples: Medo de barata.

Esse medo é bastante comum e um ótimo exemplo de como é repassado de Pais para filhos de forma a diversas gerações.

Imagine comigo uma cena comum: Mãe e filho(a) sentados na sala vendo televisão ou comendo na cozinha quando de repente a mãe vê uma barata e na mesma hora grita bem alto e sobe no sofá ou na cadeira (quando não na mesa) da cozinha. Cena comum? E ainda grita para que o marido ou alguém venha matar a barata.

Agora convido vocês a verem com os olhos da criança. A mesma vê a mãe que possivelmente é uma das pessoas que ela mais admira e reconhece como sendo uma heroína com medo de um bicho. Dando um grito que talvez ela nunca tenha visto a mãe dar em sua vida.

  Consegue perceber qual a reação da criança?

Além de seguir os mesmos passos da mãe e subir na cadeira e no sofá, ela vai acreditar que aquele bicho pequeninho é monstro devastador e que em alguns segundos pode devorá-la. Claro! Se a mãe tem esse medo sendo grande, forte e super inteligente, imagina o que vai fazer comigo, criança pequena e indefesa.

E assim vamos passando o medo de barata por gerações e gerações. Esse foi um exemplo simples, mas atuamos diretamente na reprodução dos medos para os nossos filhos.

As crianças aprendem o que vivenciam com os pais e se esses não estiverem atentos e dispostos a enfrentar os seus medos, entendendo de como surgiram e como nos afetam, irão continuar passando para os seus filhos.

E aí? Até quando vai passar os teus medos para seus filhos? Entenda mais, click aqui. 

“O medo é um preconceito dos nervos. E um preconceito, desfaz-se – basta a simples reflexão”.- Machado de Assis