Como trabalhar a autoestima dos nossos filhos

A autoestima é um sentimento que precisamos trabalhar constantemente com os nossos filhos, principalmente nos primeiros anos de vida,  já que nesse momento estão iniciando a sua preparação emocional e ainda não entendem de forma consciente a algumas atitudes dos pais.

Nós ressaltamos  que os pais sempre fazem o melhor para educar seus filhos. Utilizam de ferramentas e recursos que já possuem ou que aprenderam com seus pais. Essa busca constante pelo conhecimento fruto inclusive da sociedade que vivemos é a forma que possuímos de ir além do que já sabemos e podemos fazer para criar adultos emocionalmente saudáveis.

E ainda percebemos que os maiores medos ou crenças são passados em relação a esse tema de forma positiva pelos pais ou avós,  ou seja, com o intuito de ajudar na educação da criança. Quando falamos frases do tipo: “Você não é bom nisso” ou “ Você não consegue fazer isso”.

Essas  e outras frases são ditas para informar os nossos filhos de algum perigo. Entretanto ao nos expressarmos assim acabamos por colocar o medo de algo ao invés de expor o perigo.

No post sobre o medo de piscina falamos sobre isso, quando Eu coloquei medo no Miguel em relação à piscina para que ele não chegasse perto dela sem a boia.

autoestima

Trabalho constante 

Trabalhamos a todo instante com a autoestima dos nossos filhos, seja quando pedimos algo, incentivamos, brincamos,  quando damos uma bronca neles. Ou até mesmo numa simples conversa com alguém que esteja próximo ou dentro de casa, nós acabamos por afetar a autoestima deles.

Por isso precisamos estar alertas (como já falado no post sobre inteligência emocional), e prestar bastante atenção no que estamos falando e nos sentimentos que passamos ao falar de algo.

Nós pais sabemos que as atividades diárias nos exigem esforço e dedicação constante e em alguns casos ocorrem situações que nos deixam chateados e o desânimo vem nos deixar para baixo. Quando chega aquele momento que sentimos pena de nós mesmos e até dos nossos filhos, é preciso muito cuidado já que as crianças podem aprender que o correto é sentir pena de si mesmo.

Não estamos falando aqui de um momento ou outro mas de um ciclo de “coitadismo” que muitas pessoas entram para se sentir mais amadas ou apoiadas.

É comum nesses casos aparecerem atitudes em relação às crianças do tipo “No meu tempo não era assim”. Pronto! Esse é um discurso típico que os pais acreditam que faz os seus filhos reconhecerem o seus esforços, mas na verdade gera um sentimento de pena em que enveredam por uma disputa de quem tem mais direito de sentir pena de si mesmo.

Essa competição não traz nenhum benefício. Nossos filhos tem necessidade de apoio e contam conosco para ajuda-los a seguir em frente, somos nós que damos força para que possam expandir seus limites e ampliar seus horizontes.

Sendo assim precisamos estar atentos e realmente preocupados com as palavras e gestos que temos com nossos filhos. É sempre muito mais fácil agirmos por impulso e sem o entendimento das nossas emoções. Entretanto  ao assumirmos o papel de pais responsáveis pela educação dos nossos filhos precisamos ser vigilantes nesse processo de troca de experiências.

Clique aqui e baixe nosso E-book sobre Inteligência Emocional para Pais!