Transformando a birra em aprendizado

A raiva é um sentimento que precisamos entender e compreender a sua intenção positiva. Já que nos permite tirar uma energia, que não sabemos da onde, para realizar atividades com uma determinação ainda maior.

Esse sentimento é um dos momentos em que acessamos no nosso íntimo um imenso potencial de realização pessoal, é quando somos mais do que aparentamos ser e fazemos coisas que nunca imaginávamos.

É uma das principais preocupações dos Pais nas sessões de Coaching para Pais.

Birra

Uma das formas da criança expressar a sua raiva é por meio da birra. Aquele momento em que ela está descontrolada e com acessos exagerados dos seus sentimentos, chorando, gritando, batendo pés e mãos. Ou ainda, como muitos pais dizem que é como se estivesse “possuída” por outro ser que não aquele anjinho que tem em casa.

 

Inclusive, apesar de não ser a forma mais conveniente esses momentos de expressão de raiva ainda são melhores do que se a criança não o fizesse em nenhuma situação. Ela ficaria com raiva e não faria birra e nem falaria com seus pais de alguma maneira, simplesmente internalizaria essa raiva até quando pudesse já que em algum momento o nosso corpo vai expor esse sentimento. Geralmente, nesses casos a exposição ocorre por meio de alguma doença.

 

A questão é como vamos utilizar essa raiva? Para magoar e gerar tristeza em outras pessoas? Ou vamos ter a capacidade de analisar a situação e entendermos o real motivo dela?

 

Quando estamos com raiva geralmente é de outra pessoa, por algum motivo ou situação específica em que criamos expectativas em relação as ações dos outros. Ou seja, jogamos a responsabilidade pelo nosso sucesso para as mãos de outros que em muitos casos não sabem nem mensurar a devida importância.

birra2

Uma forma de comunicação

É também comum que não tenhamos comunicado adequadamente as nossas expectativas para as outras pessoas. A responsabilidade da comunicação é sempre daquele que leva a mensagem para alguém, do remetente para o destinatário.

Considerarmos que o outro não entendeu a mensagem corretamente é transferir a responsabilidade que é nossa. Portanto, se não estamos obtendo a resposta desejada precisamos mudar a nossa forma de transmissão da mesma.

 

Sob esse aspecto precisamos analisar os nossos acessos de raiva. Lembre-se do momento que agiu dominado por essa emoção. Quando a raiva foi embora e não foi explorada de maneira correta, os sentimentos que ficaram são: arrependimento, frustração e constrangimento. Ao invés de ganharmos com a incrível energia que a raiva nos proporciona acabamos por tornar essa energia ainda mais negativa criando um circulo vicioso de impactos ruins na nossa vida.

 

Assim, percebemos a necessidade dos pais atuarem exatamente nesses momentos de maior confusão emocional dos seus filhos. Esse momento de raiva expressado pela birra é um pedido de socorro para que a criança possa se expressar com a maior força que ela tem dentro de si.

 

O que você faz quando seu filho tem acesso de birra em lugar público?

 

As respostas e as ações tomadas são variadas mas aqueles que falaram que pegam a criança de “jeito”, chegam para o lado e “dão uma bronca” na frente de todas as pessoas estão contribuindo para a criação de um filho sem nenhum controle emocional. Isso porque se a criança não entende e não aprende com aquele sentimento não vai saber lidar com ele em outros momentos.

 

A criança que faz birra está num momento de acesso de raiva, sendo também uma forma de comunicação com os pais. Esse comportamento se deve a falta de capacidade de lidar com os próprios sentimentos negativos, de entender o motivo da insatisfação infantil.

 

Quando os pais acabam por ceder ao motivo da birra a criança percebe que pode ganhar tudo o que quiser a partir desse comportamento. É evidente que ela conscientemente não pensa dessa forma, é realmente de modo inconsciente que ela entende que pode conseguir o que quiser por meio desse tipo de comunicação.

O que realmente incomoda seu filho

Esse momento da birra geralmente não está ligado a uma questão especifica, como a não compra de um brinquedo ou realização de alguma atividade, mas sim a algo que incomoda a criança no seu dia a dia. Ela apenas utiliza de alguma situação corriqueira para expressar essa insatisfação. E o pior é que nesse caso acaba, em geral, conseguindo algo em troca, entendendo que essa forma de se comunicar pode lhe trazer ganhos.

 

Essa situação é uma excelente oportunidade para os Pais trabalharem com a criança. Descobrir qual a experiência que ela teve que gerou um sentimento que ela não consegue lidar. É claro que antes precisamos aguardar a birra terminar o que pode ser realizado com ferramentas que iremos discutir mais adiante.

 

Entretanto, é preciso que os pais entendam que nessa hora é impossível exigir da criança o controle emocional para lidar com essa situação se os próprios pais não agirem nesse sentido.

birra 3

Como agir?

É condição básica que os Pais saibam lidar com a situação nas suas próprias ações do dia a dia. Isso porque existem muitos adultos que continuam dando birras, fazem bicos em reuniões, dão de ombros em diálogos com colegas, apelam em uma conversa que não lhe agradam, ou seja, fazem birra como se fosse uma criança, mesmo já sendo “adultos”.

 

Este é um exemplo clássico de quem não teve acesso a pais ou professores que pudessem lhe oferecer aprendizado em relação a como deveria se comportar no momento que sentisse raiva, transformando assim a vida não só da criança e também dos pais em um grande stress.

 

Ao longo dos nossos textos iremos trabalhar especificamente comportamentos que os pais devem possuir para lidar com as birras infantis e assim ampliar as suas capacidades na criação de seus filhos.

 

Veja mais sobre a Raiva e outas emoções no ebook: Inteligência Emocional para Pais (Baixe grátis).