Crianças aprendem com nosso exemplo e não com nossa fala

A partir da sua rotina diária é que seus filhos aprendem a moldar seus comportamentos. As crianças aprendem com o seu exemplo e não com sua fala. Você já pensou nisso?

Nos atendimentos que realizo com os Pais e Mães, nos treinamentos e por meio das mensagens do blog percebo como precisamos trabalhar com as nossas experiências para desenvolver os comportamentos dos nossos filhos.

Você papai e mamãe sabe que as atividades do cotidiano exige esforço e dedicação constante e em alguns casos ocorrem situações que fica chateado e desanimado. Isso é natural, acontece com todo mundo. A questão é como você absorve isso.

Quando sente pena de si mesmo

Vou te dar um exemplo: sabe aquele momento que sentimos pena de nós mesmos e até dos nossos filhos? É preciso muito cuidado, já que as crianças podem aprender que o correto é sentir pena de si mesmo.

É exatamente nesse ponto que assumimos a nossa responsabilidade de Pais e nos tornamos preparadores emocionais dos nossos filhos. O que é também uma excelente forma de crescermos pessoal e profissionalmente.

A autoestima (veja uma entrevista excluisva com a Coach de Autoestima Queli Rodrigues) é um comportamento que quando desenvolvida pode contribuir para a realização de diversas atividades no nosso dia a dia. E você fazer isso a partir de experiências exitosas que teve em sua vida.

É provável que você tenha aprendido sobre autoestima e feito até alguns exercícios de motivação ou mesmo autoajuda. Não estou falando disso. A nossa relação com os nossos Pais foi determinante para sentirmos e internalizarmos esse comportamento em nossa mente inconsciente.

Como foi a sua relação com seus Pais?

Percebam por um momento como foi a relação de vocês com seus pais. Em que momento aprenderam a sentir insegurança e ter medo de tomar decisões, de serem julgados, em que o certo ou o errado era o que importava?

É possível que não se lembrem num primeiro momento, por isso a importância de se concentrarem e lembrarem efetivamente de como foram educados para sentir pena sobre si mesmos.

auto1.jpgComo podemos desenvolver a autoestima dos nossos filhos?

Por esse motivo precisamos estar alertas (como já falado no post sobre inteligência emocional), e prestar bastante atenção no que estamos falando e nos sentimentos que passamos ao falar de algo.

Quando falamos nisso consideramos um estado de alerta como a efetiva presença no momento que está sendo vivido. É estar com a mente efetivamente na situação presente. Sem ficar revivendo os erros ou acertos do passado e as probabilidades do futuro.

Essa seria a primeira lição para começarmos a desenvolver a autoestima nos nossos filhos: aliciar um estado de presença. A segunda lição é estabelecer uma comunicação positiva entre você e seu filho.

O poder do Não

Já falamos anteriormente sobre o poder do Não e como ele pode se transformar numa muleta para o desenvolvimento da criança.   Precisamos mudar a forma como falamos e avaliar a efetivamente necessidade da sua utilização no nosso dia a dia.

Perceba que enquanto a criança vai descobrindo as suas capacidades e desenvolvendo os seus comportamentos, desvendando de forma pura e natural o mundo que está a sua volta, você pode acabar com isso facilmente negando a maioria das suas descobertas e capacidades. E todos esses “nãos” vão entrando no inconsciente da criança mostrando para ela que essa forma de ser, de descobrir e agir, não é muito legal.

A terceira lição que podemos ter sobre a autoestima é a forma como nos julgamos e assim julgamos as outras pessoas. O modo como vivemos nos coloca a todo instante medidas de comparação do que temos com o que outros tem ou deveriam ter segundo os padrões atuais.

E a partir do momento que nos cobramos além do limite e ficamos chateados ou desapontados com nós mesmos, criamos uma situação perigosa. Lembre-se que você é o herói daquela casa, a referência para seus filhos. A sua atitude é o seu principal ensinamento.

paiefilho4.jpg

Não digo que você não possa falhar ou ter fracassos. A questão não é essa. Ao contrário, isso vai acontecer e como você vai lidar com isso?

É exatamente essa a lição que o seu filho vai aprender. A forma como você enfrenta essas situações. Não pelo fato de ter deixado de ganhar isso ou aquilo, ou de parecer assim ou assado. O seu filho definitivamente não vai entender isso. A menos que você tenha ensinado para ele que uma viagem para a Disney é mais importante do que um domingo em família.

Por fim precisamos ficar atentos as experiências que nossos filhos têm e qual o aprendizado será internalizado. Prestar atenção as características que são desenvolvidas e como eles lidam com elas.

Como identificar crianças inseguras?

Uma criança insegura não confia em si mesmo fala coisas sobre si mesma que a desqualifica e faz isso porque ela se vê assim. Ela pode inclusive apresentar outros comportamentos como: apagar ou riscar muito os exercícios escolares, frustrar-se com frequência, ter muitas dúvidas ou mesmo se furtar a tomar decisões, falta espontaneidade, excessivamente sensível a críticas e alto senso de ridículo;

Iremos falar mais sobre essas características nos próximos posts. E se quiser receber mais dicas é só clicar no link.

Os ensinamentos que transmitimos diariamente para os nossos filhos por meio das ações e daquilo que nós somos, geram uma transformação contínua na criança, que ocorre no nível inconsciente agindo sem a percepção do consciente, criando uma melhor atualização (como um novo software poderoso) ou um vírus pronto para ser ativo e espalhado na pré-adolescência, adolescência ou na vida adulta.

Pais, a responsabilidade é de vocês. Façam a escolha.

P.S: Quer saber mais? Ter acesso a material exclusivo sobre esse e outros temas relacionados a relação entre Pais e Filhos? Você pode receber mais conteúdo exclusivo por meio da nossa lista do Whatsapp (34) 9 8433-3883.

Veja como participar pelo vídeo.

Aqui são Pais aprendendo juntos.